Tombamentos Históricos

A Comissão Pró-Conservação do Palácio das Águias, entregou em 1988 ao Governador do Estado um abaixo-assinado com 3.000 assinaturas. Ao receber o documento, o Governador prometeu o tombamento do prédio. Em 12 de junho de 1989, o Diário Oficial do Estado publicou o ato do tombamento.

Leia mais...

A fundação da cidade de Cabo Frio propriamente dita, deu-se em 1616 no bairro da Passagem, mas, a partir de 1660 criou-se o novo centro urbano denominado de São Francisco.

Nele, traça-se a praça (atual Porto Rocha) e constrói-se o prédio da Câmara Municipal, entre 1661 e 1662. O poder religioso acompanha este deslocamento, e, em 1666 é criada pelo Vigário Bento de Figueiredo a Igreja Matriz Nossa Senhora da Assunção. No altar-mor foi colocada a imagem da Padroeira de Cabo Frio, Nossa Senhora da Assunção – encomendada a Lisboa nos princípios da ereção e fundação da igreja, e que, sem dúvida foi a devoção dos primeiros habitantes da cidade. Consta que esta imagem é uma das mais antigas do Brasil. À direita de quem entra na Igreja Matriz, há uma capela, erguida em 1731, onde está a imagem da Virgem Aparecida, que foi encontrada entre uns penedos no mar de Arraial do Cabo, pelo pescador Domingos André Ribeiro, no ano de 1721. É feita de nogueira, e tem o cumprimento de um palmo de três dedos. Há registros de inúmeros milagres feitos, pela Virgem Aparecida. O fato histórico da aparição está registrado no opúsculo “Verdadeira Notícia do Aparecimento da Milagrosa Imagem de Nossa Senhora da Conceição. Que Se Venera na Cidade de Cabo Frio”, de Alberto Lamego.

Leia mais...

Em 1616, Estevão Gomes – nomeado capitão da fortaleza de Cabo Frio – tinha o poder de doar Sesmarias a quem quisesse povoar e cultivar as terras da cidade. Além da incumbência de assumir o comando e passar as tropas em revista, ele devia começar a construir a cidade de Nossa Senhora da Assunção de Cabo Frio, como está designada na primeira carta de Sesmaria concedida a Generosa Salgado no ano de 1616.

Leia mais...

Sabe-se que quando estruturava-se uma vila, erguia-se um pelourinho – Coluna de pedra cilíndrica, símbolo das “armas e insígnas costumadas por bem da justiça” . Nele afixava-se os editais da Câmara e expunha-se às vistas do povo os criminosos que teriam de ser castigados. Encontrava-se em frente a matriz, na atual praça D. Pedro II, onde foi colocado em c. 1660.

Leia mais...

Em função do incremento da produção salineira de Cabo Frio, no início do século XX, tornou-se necessária a abertura de canais, que fizessem escoar a produção de sal do município pelo interior da Lagoa de Araruama até o porto de Cabo Frio. A questão passa a ser discutida devido ao assoreamento dos canais de navegação da lagoa.

Leia mais...